THE DELAGOA BAY REVIEW

06/10/2009

Amália e Maluda

Filed under: Amália Rodrigues — ABM @ 2:17 am

20090914231541_amalia_rodrigues_maluda_1966_oleo_sobre_tela_94x67_cm
(Amália, por Maluda, 1966)

(por ABM)

No essencial, sou um mau moçambicano, pois lá sou branco filho de colono e saí em 75 para estudar em vez de sustentar o gulag moçambicano. E cá sou um mau português, pois não sou católico, não gosto de futebol e mal tolero o fado (para além duma listinha de coisas que não vem para o caso). Atento, respeito e observo – mas como um outsider.

Bem, de fado abro apenas duas excepções: A Senhora Dona Amália da Piedade Rodrigues e Carlos Paredes. Amália vi uma vez de raspão numa dessas digressões para emigrantes na América do Norte, acompanhada de bacalhau, vinho tinto e saudades, já meio rouca da idade (ah, ainda por cima em vez de vinho prefiro Coca-Cola). Paredes nunca vi, apesar de, com 15 anos a estudar em Coimbra e de estar na fase plena e escapista do Dark Side of The Moon dos Pink Floyd, ter ouvido um dia numa discoteca na baixa da então decrépita cidade académica uma canção sua que me deixou parado.

Como faz hoje dez anos que Amália nos deixou, outro dia apanhei algures o quadro acima, feito pela pintora Maria de Lurdes Ribeiro, a.k.a. Maluda, que achei interessante e dramático. Maluda pintou este quadro de Amália numa suite do Hotel George V em Paris e a sua pintura e o mero facto de se conhecerem tem tudo que ver com Moçambique.

De facto, sempre me tinham dito que Maluda tinha que ver qualquer coisa com Moçambique, mas não conhecia bem qual a ligação. Passar por lá nos tempos das colónias não basta no meu cardápio e de facto o resumo biográfico que me apareceu na minha rasante pesquisa no Gúgele (Google nos termos do novo Acordo Ortográfico) diz numa miseranda linha que viveu na actual Maputo entre 1948 e 1963, ou seja e fazendo as contas, dos 14 aos 29 anos de idade.

Hum. Curta explicação. Andei às voltas e dei com esta magnífica e muitíssimo mais rica e detalhada descrição dos anos de Moçambique da Maluda e do que porventura isso terá significado para ela, pela mão de Maria de Lurdes Simões de Carvalho.

Amália Rodrigues cantou em Maputo em 1951, num recinto improvisado no Grupo Desportivo, na baixa. O João Maria Tudela, cantor de Kanimambo e de  Uma Casa Portuguesa Com Certeza (poemas de Reinaldo Ferreira, música e arranjo de Vasco M Sequeira e Artur Fonseca – ou seja, a gangue do Café Scala estava lá (Tudela ainda está vivo e de saúde em Portugal) bem assim como Vitorino Ribeiro, virtuoso da guitarra de fado e enfermeiro nas horas vagas e que foi meu vizinho durante anos e anos na Rua da Argélia. Ainda me lembro de Vitorino a dedilhar a sua guitarra altas horas da noite.

Para além de um texto absolutamente delicioso de ler, a Maria de Lurdes às tantas escreveu duas frases impagáveis que quase me fizeram rebolar de riso.

A primeira:

“Eça de Queirós criou uma personagem hilariante a quem coube a pasta das colónias e que supunha Moçambique na costa ocidental de África. Quando o corrigiram, proclamou que a situação geográfica da colónia era irrelevante para o bom desempenho do cargo.”

A segunda:

“Sérgio Kamal, colega de Maluda na Guérin, cimentou com ela uma amizade de irmão: depois da independência de Moçambique, tornou-se um homem de negócios, cliente dos grandes hotéis, íntimo dos ministros dos estados africanos francófonos e anglófonos. Em Lisboa, gostava de perguntar, ironicamente, referindo-se a si mesmo: ”Aceitam pretos?” Um dia perguntei-lhe por que razão gostava tanto de Maluda. “Foi a primeira branca que em Lourenço Marques ousou convidar-me para dançar!” respondeu, com uma gargalhada.”

Portanto celebro aqui Amália, a única fadista portuguesa que aprendi a gostar. Com muita Maluda e Moçambique pelo meio.

E uma pitada de Eça e de Sérgio Camal.

Advertisements

5 comentários »

  1. Me ha gustado el articulo. He escrito otro a partir de el tuyo
    http://lacomunidad.elpais.com/la-torpeza-de-la-iguana/2009/10/6/maluda-y-mozambique
    un saludo
    juan re

    Gostar

    Comentar por juan re — 06/10/2009 @ 10:15 am

  2. Amália também esteve na Beira. Estive num bar/restaurante na praia onde ainda está o cartaz (quase sessenta anos depois). Mas não me lembro do nome do local – de notar que me disseram que tinha sido na inauguração do local

    Gostar

    Comentar por jpt — 06/10/2009 @ 7:42 pm

  3. Tenho poucas informações quanto ao itinerário exacto da visita dela a Moçambique em 1951, imagino que bastaria consultar os jornais da altura. Se o cartaz está lá na Beira…está lá =)

    Gostar

    Comentar por A B de Melo — 06/10/2009 @ 8:11 pm

  4. […] evocação da visita de Amália a Moçambique desenvolveu-se em invocação. A minha boa amiga Amélia enviou-me estes preciosos recortes de […]

    Gostar

    Pingback por Amália em Moçambique III | ma-schamba — 09/10/2009 @ 10:38 am

  5. Conheci o Senhor Sérgio Kamal no Bar do Hotel Cidadela – 74/79 – onde jogava “bidú” (perna branca/perna preta) trouxe-me uma lembrança de Londres que guardo de forma estimada assim como o seu sorriso e olhar cristalino. Bem-haja. Oliveira

    Gostar

    Comentar por JFernando Oliveira C — 22/01/2015 @ 9:44 am


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: