THE DELAGOA BAY REVIEW

30/03/2010

ECOS DE ÁFRICA NO RIBATEJO

Filed under: António Botelho de Melo — ABM @ 3:55 am

por ABM (Alcoentre, 30 de Março de 2010)

É curioso. À primeira vista, o Ribatejo em 2010 parece estar tão longe de África, e da África dos tempos antigos, como é possível imaginar-se.

Mas com os anos, e retirado o verniz da superfície, há tantos vestígios, tantas histórias, espalhados nos recantos mais isolados e inesperados, que com o tempo se vão evaporando. Muita gente andou por lá, teve família lá, andou na tropa lá.

Alguns negociantes de velharias que me conhecem, e que andam por aí a adquirir a tralha que já ninguém quer, de vez em quando trazem-me exemplos dessa presença, como por exemplo o que está em cima, que é cópia duma credencial emitida a um tal senhor chamado Manuel Francisco da Silva, que andou pelos lados da Beira a trabalhar como torneiro mecânico. Obviamente alguém das suas relações despachou o documento.

O que achei interessante é que o documento acima tem o ar mais sério e formal do mundo, é enorme, do tamanho A2 (ou seja, duas folhas A4 juntas), vem do funcionalismo público e é basicamente uma referência.

Para o que servia não sei. Mas ao pé deste canudo o meu diploma do MBA que conclui em 1989 (e que custou uma pequena fortuna) mais parece um vulgar guardanapo de restaurante.

Agora vai para o fundo do meu caixote de quinquilharias, à espera de um destino qualquer.

4 comentários »

  1. Sr. ABM

    Tem aí uma relíquia.

    E obrigado por a ter divulgado.

    Não sabia, aliás nunca soube, que em Moçambique houvessem operários – torneiros mecânicos, serralheiros, soldadores, mecânicos, trolhas, pedreiros, carpinteiros, e afins das diversas profissões -homens das artes.

    Tendo lá nascido, e vivido ininterruptamente até 1979, nunca o notei.

    Foi uma grata surpresa, embora ressalve o facto de ser uma pessoa muito, muito mesmo, distraída.

    Vivendo e aprendendo, como diz o outro.

    Comentar por umBhalane — 30/03/2010 @ 2:23 pm

  2. Sr. uB

    Obrigado. Isto um dia vai dar num museu pessoal um tanto quixotesco, mas enfim.

    Comentar por ABM — 31/03/2010 @ 12:54 am

  3. Sr. ABM

    Aproveitando o ensejo, e tendo em conta o basto auditório de Ma-schamba, se conseguisse um exemplar de um boletim de nascimento dos antigos territórios sob administração Portuguesa, vulgo colónias, províncias ultramarinos e estados ultramarinos, de antes de 1953, seria muito interessante.

    Mesmo.

    O meu ficou no consulado de Portugal na Beira, para poder continuar/adquirir! a nacionalidade que sempre foi minha, e dos meus antepassados – Portuguesa.

    E fica um apelo também, a quem tiver essa possibilidade, de o fazer chegar ao Sr., e/ou ao Ma-schamba.

    Comentar por umBhalane — 31/03/2010 @ 4:56 pm

  4. Sr uB

    Está a falar de uma certidão de nascimento ou de outro documento? as conservatórias do registo civil de Moçambique emitem-lhe uma certidão de nascimento num dia.

    Creio que basicamente iguais às antigas portuguesas….

    Comentar por ABM — 07/04/2010 @ 11:31 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.

%d bloggers like this: