THE DELAGOA BAY REVIEW

24/12/2010

A NAÇÃO MARAVILHA

Filed under: Uncategorized — ABM @ 5:22 pm

24 de Dezembro de 2010

Para quem segue os noticiários portugueses, pode ter a sensação grata de que, apesar das algo draconianas medidas tomadas recentemente, reflectidas num orçamento do governo para 2011 que já está mais ou menos aprovado, os problemas estão enquadrados e o mal quantificado.

Não estão, nem de perto, nem de longe.

Mas desde há algum tempo que desisti de sequer tentar fazer o argumento, pois só chateio e parece, de qualquer maneira, que as pessoas também não sabem o que fazer, senão vagamente esperar pelo melhor e entretanto continuar a viver alegremente, aparentemente sem alterar o seu estilo de vida.

Há que recordar que, havendo 11 por cento de taxa de desemprego e menos dinheiro, isso não quer dizer que os restantes 89 por cento tenham necessariamente que estar a sofrer.

Mas veja-se só estes quatro itens:

1. Foi anunciado que, na absolutamente obscura situação de falência virtual do Banco Português de Negócios – que, inacreditavelmente, ainda está aberto e paga os salários na totalidade a 20 empregados para estarem em casa há dois anos – será necessário aumentar o seu capital em mais 500 milhões de euros. Isto a juntar aos cerca de 4.500 milhões de euros de que fiz registo mental de já terem sido dispendidos.

2. foi revelado que por despacho do governo, 326 milhões de euros de depósitos de pessoas e empresas, associados a processos judiciais, foram pura e simplesmente usados para despesas, sem que tal fosse reflectido adequadamente na contabilidade como sendo dinheiro que o governo deve.

3. Ontem, a Fitch Ratings, uma das três principais empresas internacionais de classificação do risco, desceu a sua notação para a república portuguesa de AA– para A+. Isto não é mau: é péssimo.

4. E como se tal não bastasse, esta manhã a mesma empresa anunciou que baixara a sua notação de risco para a Caixa Geral de Depósitos de A+ para A. Há uns dias atrás, havia feito o mesmo ao Banco Comercial Português e ao Banco Espírito Santo.

Para quem não está dentro desta coisa das notações de risco, as notações gerais são, excluindo as intermédias:

AAA : as melhores, seguras e estáveis
AA : empresas boas, mas de menor qualidade e maior risco que as de cima;
A : empresas em que a sua situação económica pode afectar a sua situação financeira (isto é, obter financiamentos); e
BBB : empresas de qualidade média, em situação satisfatória neste momento.

Se ninguém reparou, neste momento podemos ver o ministro português das finanças a acabar de fazer uma visita à China para sugerir aos chineses que comprem dívida soberana portuguesa. E José Sócrates vai a 1 de Janeiro próximo assistir ao início do mandato presidencial de Dilma Rousseff no Brasil – e tentar negociar com o governo brasileiro a compra de alguma dívida soberana portuguesa.

Os analistas domésticos revezam-se a mandar biscas para o ar quanto a se o Fundo Monetário Internacional (FMI) vai “entrar” em Portugal, ou seja, se vai ser convidado a forçar a imposição de medidas mais impopulares à população portuguesa.

Pois para mim não é o FMI o importante. É tomar as medidas que têm que ser tomadas.

E, para variar, o governo socratiano tomou uma: numa altura destas, decretou um aumento no chamado salário mínimo nacional. Bem sei que 500 euros não é nada, etc e tal. Mas numa altura destas, parece-me pior do que estúpido e arrogante: parece-me ser mais uma medida eleitoralista e mais uma forma demagógica de demonizar o patronato português.E mais uma manobra de piscar o olho a uma audiência que se espera responda quando o PSD ou o PP apresentarem no parlamento uma moção de censura e ela passar.

Uma coisa é certa: ocorrendo, a progressiva deterioração da economia vai ter sempre mais impacto em que recebe menos. Que pode passar por se juntar aos já 600 mil portugueses sem emprego, e para os quais os chamados subsídios de desemprego já só abonam dois terços deste grupo.

E em Janeiro já se anunciam aumentos de preços muito acima da taxa de crescimento dos salários.

2011 promete ser um ano deveras interessante.

Um feliz Natal aos exmos. Leitores e suas famílias.

1 Comentário »

  1. Mas o mais complicado de compreender é a razão porque os portugueses continuam a votar no mesmo partido. Aliás tanta coisa sobre o TGV, falta de dinheiro blábláblá, estamos na penúria e vão manter o TGV Lisboa – Madrid. O que é preciso é não gastar dinheiro com o TGV Porto – Vigo.

    Comentar por Hildebrando Campos — 24/12/2010 @ 6:08 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: