THE DELAGOA BAY REVIEW

16/03/2012

MOÇAMBIQUE NO FINANCIAL TIMES : UMA NOTA SOBRE A CORRIDA AO CARVÃO EM TETE

O ouro de Moçambique, no subsolo da zona de Tete. A seguir vem o gás do mar em frente a Cabo Delgado. Foto copiada do sítio da Mozambicoal, uma empresa com sede em Perth, Austrália, que iniciou operações mineiras em Tete há uns dois anos.

 

Texto assinado por Andrew England e publicado esta semana no jornal londrino The Financial Times:

Mozambique poised for coal boom

Race against time: drilling at a project near Tete, where coal mines
are being developed

All along the short drive from Tete’s tiny airport to the mushrooming
town centre lie numerous examples of the rapid development taking
place in one of Mozambique’s remote corners.

There are new bank branches, service stations and a supermarket, while
a large customs office and one of several new hotels are under
construction. The catalyst for change in the once sleepy town are
symbolised by a billboard advertising mining trucks, a sign offering
mine and plant equipment hire and a Rio Tinto training centre.

Tete is at the heart of Mozambique’s nascent coal rush, with the
region endowed with one of the world’s richest undeveloped coal
reserves. Prices of coking coal – used for steel production – may have
fallen back from the record high of two years ago but they remain well
above the level of the early 2000s. Coal is just the first chapter of
a resource story that also includes gas, with ENI of Italy and the
US’s Anadarko recently claiming huge discoveries off the nation’s
northern coast. It is estimated the gas projects could bring in $70bn
in investment and known coal projects another $10bn over the next
several years, the World Bank says. Billions of dollars more will be
spent on infrastructure in a country with a gross domestic product of
just $10bn.

The result is one of the world’s poorest countries has found itself at
the centre of unprecedented international investor attention –
illustrated by a bidding war to acquire Cove, a London-listed company
that holds an 8.5 per cent share in a gas field. These industries
offer the potential to transform radically the financial fortunes of a
state that depends on international donors for between 40 per cent and
45 per cent of its budget.

The question on the minds of Mozambicans and donors, however, is
whether the country can harness the benefits to lift the nation out of
poverty and in doing so avoid the resource curse that has blighted so
many before it. “It’s a race against time – is the big money that
corrupts going to come before stronger checks and balances?” says a
senior donor official.

So far, Brazil’s Vale is the only miner exporting coal – it started
last year – but the country could be producing 20m-50m tonnes per mine
annually within the next decade. Gas could start being pumped as early
as 2018, with the former Portuguese colony set to join the ranks of
liquefied natural gas exporters as a scramble for east African
hydrocarbons hots up.

Mozambique growth

Donors estimate that gas could generate revenue equal to two or three
times the current $3.6bn budget. Yet concerns remain that the
government has been caught out by the speed and scale of the foreign
interest and lacks the technical capacity to cope with the rush of
attention.

“They very much know their weaknesses and they are terrified . . . in
a good way,” the donor official says. “Terrified they will get it
wrong . . . worried expectations have run way ahead of what they can
deliver.”

Still, Armando Inroga, the trade minister, confidently talks of
Mozambicans being trained for new industries; local companies
providing services to multinationals; and investment zones popping up
around the country. “Mozambique is different,” he says. “Other
countries look to the energy sector, for us even now everybody wants
coal, everybody wants gas [but] we still maintain agriculture as the
main sector.”

Yet the nation’s experiences since the end of a 15-year civil war in
1992 highlight how hard eradicating poverty is.

Project limitations

Mozambique was the fastest growing non-oil economy in sub-Saharan
Africa over the past 15 years. GDP growth averaged 8 per cent between
1996 and 2008 – driven by reconstruction and development after the war
– and is forecast to be 7.5 per cent this year. But while there was
initial success in reducing poverty, progress stagnated with just over
half of Mozambicans still living below a poverty line of $0.50 a day.

Much will depend on the governing Frelimo party, which has ruled since
independence in 1975. It faces no credible political opposition and
Mozambicans describe a blurring of the lines between party, state and
business.

Civil society groups, which argue the nation could be benefiting more
from its resources, have called for changes to the fiscal regimes
around extractive industries and greater transparency with contracts.
Partly in a response to that, the government, with support from the
International Monetary Fund and donors, is reviewing mining and
petroleum laws. It is also working to comply with the extractive
industries transparency initiative.

“There’s now a strong sentiment, even within the elite, that not
everybody is benefiting from the current development,” says Fernando
Lima, head of Mediacoop, an independent media company.

There are at least two groups within Frelimo, with one leaning
leftward and pushing for more equitable distribution of the resource
wealth, Mr. Lima and others say. “The second group wants a part of the
cake,” he says. “My sense is that group is growing.”

Civil society groups and the media in effect act as the opposition,
says Marcelo Mosse, executive director of the Centre for Public
Integrity, an anti-corruption organisation. But he adds: “We are not
strong enough.”

Tete provides a microcosm of the opportunities and potential pitfalls.

“It’s better now because it’s created jobs,” says Simba Maphaia, a
mining company driver. “There were plenty of guys just drinking, doing
nothing.” But he also gripes about outsiders benefiting from much of
the employment – partly because of Tete’s dearth of skills – and
worries that the construction of a second bridge over the Zambezi
river could force him from his home.

In January, hundreds of families protested outside Vale complaining
about their conditions after being resettled away from a mine. And the
level of poverty is conspicuous, with mud-brick houses and wooden huts
dotting the countryside.

Indeed, managing expectations will be crucial.

“The rhetoric is always there’s huge opportunity for Mozambique but
you look around at other places where there are resources being
exploited and you wonder why the development is not happening . . .
Can we do it differently?” says Aldo Salomão, at Centro Terra Viva, an
advocacy group. “We are rushing ourselves and what is happening in
Tete is an example of what should not be done.”

When Mozambique sought to rebuild after more than a decade of civil
war, it wanted a showcase project to tell the world it was open for
investment, writes Andrew England . The desired scheme came in the
form of an aluminium smelter, operated by BHP Billiton and
commissioned in December 2000 at a cost of $1bn. The Mozal investment
– much like the coal and gas projects – was initially hailed as a
welcome boost for a poor country. But a decade on, the International
Monetary Fund is among those to have raised questions about the
long-term growth benefits offered by such projects.

Mozal’s launch contributed close to 2 and 4 percentage points of gross
domestic product growth in 2000 and 2001 respectively, an IMF report,
released in December, suggests. But while such projects may boost the
economy during construction phases, their contribution then wanes, it
said. “Once a mega-project reaches its capacity, its output does not
grow any more,” the IMF says. “Thus, the ability of mega-projects to
be a continuous growth engine depends on the launch of new projects
and on the expansion of their capacity.”

Anúncios

07/12/2010

A MOZAL E O RELATÓRIO DA SOUTHERN AFRICA RESOURCE WATCH

Filed under: Ecologia Moçambique, Imprensa Moçambique, Mozal — ABM @ 12:12 am

por ABM (6 de Dezembro de 2010)

Se algumas dúvidas persistem em redor do projecto de que resultou o empreendimento da Mozal, e o que – do que se conseguiu saber – tal representa para Moçambique e os seus cidadãos, existe um documento que pode ajudar a sanar essas dúvidas.

O curioso é que, como tantas coisas importantes sobre Moçambique, a informação foi publicada no estrangeiro. E em inglês, para variar, apesar de aparentar que os dois principais envolvidos na sua preparação – os Senhores Camilo Nhancale e Herculano Vilanculo – me parecem ser moçambicanos.

E pelos vistos ninguém reparou, até o Mediafax de hoje referir indirectamente o documento de cinquenta e duas páginas. Refiro indirectamente porque eu acho que o senhor do Mediafax não leu o que ali estava. Pois senão não diria o que disse.

O que o Mediafax disse, citado na (surpresa) revista de imprensa de hoje da Agência de Informação de Moçambique, foi o seguinte:

Um estudo sobre a conduta da governação corporativa das empresas sul-africanas de gás e mineração quando fazem negócios no estrangeiro, e especificamente na região da África Austral foi [na] semana finda divulgada pela Southern Africa Resource Watch (SARW), uma organização não estatal da África do Sul. O estudo desenvolvido pelos pesquisadores Camilo Nhancale e Herculano Vilanculo concentra-se em duas [das] maiores empresas sul-africanas ou com capital sul-africano em Moçambique, a Sasol e a Mozal. O estudo tinha por objectivo fazer uma análise das operações da BHP Billiton (Mozal) e da Sasol no que concerne a sua governação corporativa, a sua contribuição para o desenvolvimento económico e social e o seu impacto ambiental em Moçambique, em particular sobre os apoios que concede para a melhoria de vida das comunidades locais.

E conclui o texto do Mediafax:

De acordo com o estudo, os dois projectos beneficiam de grandes incentivos e isenções fiscais. A necessidade de retirar os chamados paraísos fiscais está a ganhar número considerável de adeptos quando se aborda a questão dos mega projectos em Moçambique. O relatório lançado argumenta que estes são desnecessários para o tipo de investimento envolvido, uma vez que ambos os projectos provavelmente iriam avante mesmo sem os incentivos e isenções fiscais.

Ora há quatro aspectos a referir aqui.

O primeiro, é que o estudo citado, tal como referi agora, foi tornado público não na semana passada, mas precisamente às 08:34 horas do dia 9 de Abril deste ano. Para confirmar esta constatação basta ver AQUI.

O segundo, é que o documento pode ser livremente acedido e lido, através do sítio da tal entidade sediada na África do Sul e lido. Como eu fiz AQUI, lendo entre as páginas 98 e 150.

Está lá quase tudo o que exmo. Leitor precisa de saber como é aquilo da Mozal.

O terceiro, é que se tornou muito claro, das repetidas advertências feitas pelos seus autores, que – e aqui só me interessa a Mozal, se bem que o estudo faça referência também à Sasol – a Mozal, e em segundo lugar, algumas entidades governamentais, pura e simplesmente recusaram-se a responder às questões colocadas pelos responsáveis por este estudo. Que não tiveram outra solução senão fazer o que se faz nestas alturas: “se não podes caçar com o cão, caça com o gato”.

E, do que li, a caça foi boa.

Mas é de rir. Pessoas que de boa fé pretendem informações que em quase qualquer parte do planeta são obrigatoriamente disponíveis para consulta pública, que mais não seja para serem base de escrutínio de quem de direito, são pura e simplesmente sonegadas, com a Mozal a dizer que “tinha que obter o okay de Londres” e a Sasol a lamentar-se que “tinha de obter o okay de Joanesburgo”. Que não deram okay nenhum, naturalmente.

O quarto e último aspecto a salientar é que o trabalho dos Senhores Nhancale e Vilanculo (muito sustentado pelo trabalho do académico Castel-Branco, que não pode deixar de ser referido, entre outros) sim, de facto refere a questão de quase isenção fiscal usufruída pela Mozal e Sasol.

Mas vai muitíssimo mais longe do que isso. E faz uma longa -longa – lista do que é que a Mozal tem feito e não tem feito em Moçambique, com um apreciável grau de precisão.

Entre outras coisas, que incluem detalhadas listas das sucessivas e cumulativas violações ou “imprecisões” ambientais da fundição, faz mais ou menos um deve e haver do que a fundição ganha e do que paga, directamente ou através do seu enigmático mecanismo de “responsabilidade social”, a Fundação-qualquer-coisa da Mozal. Esta semana, por exemplo, vão dar uns cabritinhos ali ao povo circundante, que parece que se alegra com estas coisas na mistificante base do algo-em-troco-de-nada para quem vive até um raio de 20 kms da fundição. Ou seja, um moçambicano que esteja em Cabo Delgado e que por acaso precise dum cabrito leva uma chucha do Estado, que não terá dinheiro pois não cobrou o imposto à fundição em Beluluane que lhe permitiria se calhar fazer isso mesmo. Alguém há-de-me explicar qual é a lógica desta “responsabilidade social limitada”.

Mas a soma total é clara: para esta multinacionais, há aparentemente cinco grandes benefícios de estar em Moçambique, e que nada têm que ver com o país, as suas valências, ou sequer a sua localização:

1 – benefícios fiscais verdadeiramente apetitosos.
2 – energia boa e barata à barda.
3 – legislação e controlos ambientais aparentemente à vontade do freguês.
4 – um governo junto do qual tem influência real.
5 – incapacidade da sociedade civil fazer seja o que for quanto ao acompanhamento da sua actividade.

Mas o Leitor que leia o que está dito no documento e formule o seu próprio juízo.

O que valia mesmo, mesmo, era traduzir-se o documento, lê-lo e, já que a Mozal nada diz e a nada e a ninguém responde, apresentá-lo a quem de direito.

Antes que os cabritinhos da Mozal comecem a luzir à noite.

03/12/2010

O MILAGRE DE SANTA MOZALA

Filed under: Ecologia Moçambique, Economia de Moçambique, Mozal — ABM @ 1:48 am

Este falava com os bichos.

por ABM (2 de Dezembro de 2010)

Segundo o meu relógio, faz duas semanas que o bom povo de Maputo anda a comer, cortesia da BHP Billiton e da sua sucursal nos arredores de Maputo (e juntinho da Matola) não sei quantas toneladas por dia de substâncias tóxicas, emanadas da chaminé de 62 metros (o nosso Paul Fauvet deve achar que a altura faz diferença pois repete a altura – 62 metros – sempre que pode).

O assunto obviamente continua a não merecer a mínima atenção da imprensa local. Alguém foi lá filmar o momento solene da “bypassificação”? não. Alguém filmou a chaminé a vomitar aquilo directamente para o céu em redor da fábrica? não.  Claro que não.

O assunto não interessa.

No entretanto, a Associação dos Amigos da Mozal anunciou mais uma prendinha a não sei quem de entre o people (sai muito mais barato que pagar impostos e fica lindo na fotografia) e, no dia 1 de Dezembro, tal como anunciado, desta vez num comunicado de imprensa em língua portuguesa e em língua inglesa, a Mozal Inc. proclamou o que sempre dissera: que afinal expelir directamente para o ar os gases tóxicos das suas fornalhas, funcionava melhor que com os tais filtros que eles se esqueceram que estavam a apodrecer perigosamente desde que os colocaram lá há dez anos, e que o ar estava mais limpo.

Como?

Será que percebi bem?

Vamos por partes.

O comunicado da Mozal Inc. é piedosamente impreciso. Diz só que está tudo bem, que estamos juntos e que assim vai continuar a ser. Se a tal de SGS tomou medidas, guardaram-nas a sete chaves pois no comunicado não se lê um indicador, um número, uma medida. Está abaixo do padrões nacionais e internacionais e acabou-se.

A maior parte da imprensa, talvez por causa do escarcéu oportunista de alguns políticos e do eventual cidadão mais preocupado, discretamente retransmitiu o conteúdo do texto da Mozal.

Até a Agência de Informação de Moçambique (AIM) o passou.

Ah, mas a AIM na verdade são duas AIM’s: a AIM dos lusofalantes, e a do Paul Fauvet, em inglês, para inglês ler. Que tem muitíssimo mais piada, em parte porque está incomparavelmente mais completa e bem escrita (sem desprimor dos camaradas que fazem a edição em português) e em parte porque eu acho que, como quase ninguém em Moçambique lê aquilo, ele parece que, literalmente, diz o que lhe apetece.

E aqui vem a parte interessante.

O que diz Fauvet sobre as duas primeiras semanas de veneno das fornalhas da Mozal para o ar?

E para que não haja distracções, o que ele escreveu está aqui no documento 02.12.2010 boletim AIM 5412.

O texto de Fauvet começa com o título, que traduzo:

“APESAR DO BAIPASSE, AS EMISSÕES DA MOZAL NÃO AUMENTAM”.

Portanto, logo no título, o milagre anunciado. Veja bem o exmo. Leitor: apesar de, a hora incerta do dia 17 de Novembro, e continuamente durante as quase duas semanas seguidas que passaram, uma gigantesca fábrica de processamento de escória de alumínio estar a expelir directamente para o céu, sem qualquer tratamento, os gases das suas numerosas fornalhas, descobre-se que as emissões da fábrica … “não aumentaram”.

Não aumentaram.

Aleluia! É um milagre.

Uma coisa do outro mundo. Nem a IURD conseguia uma destas.

Os funcionários da SGS são mesmo bons. São tão bons que até se ofereceram para divulgar todos os dados que compilaram. Mas entretanto, que eu saiba, não divulgaram nada.

Ou será, então que os filtros que lá estavam antes eram uma tal porcaria que aquilo já nem sequer funcionava. Qual será o caso? Fauvet dá-nos uma pista: as medições agora feitas são feitas contra medições “de base” feitas em Outubro. Portanto imagine o exmo. Leitor se por acaso as medições de Outubro fossem feitas numa altura muito “poluente” do funcionamento da fábrica. Logo, as medições em Novembro, mesmo a cuspir aquilo tudo directamente para os céus sobre Maputo, dariam um resultado melhor.

Comparativamente.

Nada mais simples.

Mas – esperem – ainda não acabou.

O melhor está para vir.

No seu escrúpulo em explicar as coisas, Fauvet dá-nos uma informação verdadeiramente insólita. Citando o Sr. Alexandre Sitoi, o responsável da fábrica para estes assuntos, diz no texto – e traduzo:

“De facto, as medições diárias [feitas] indiciam uma ligeira redução se comparadas com a média das medições feitas no período de base [usado para fazer a análise]”…

Aleluia! Outro Milagre!

Este deve ser o primeiro caso na História da Humanidade em que uma fundição de alumínio desliga os seus filtros e, duas semanas depois de passar a emitir os fumos directamente para o céu, as medições feitas (sabe Deus como) indicam que a quantidade de poluentes presentes nesse mesmo céu, diminuiu.

Aleluia.

Gostei particularmente da parte em que Fauvet entra mais nos detalhes da coisa para ver como estamos todos errados e para nos tranquilizar (não a mim pessoalmente que, no relativo recato da Linha do Estoril, só tenho que lidar com a poluição socratiana. O Diabo que leve a escolha). À sua pergunta quanto aos demais venenos expelidos para os céus sobre Maputo, de que só realmente me interessava o dióxido sulfúrico (é o tal que provoca a chuva ácida, que destrói a vegetação e torna os terrenos inférteis) o Sr. Sean O´Brien, um consultor pago pela Mozal, disse que não havia problema pois os filtros existentes antes também não filtravam esses gases, pelo que o que sai agora é o mesmo que já ia para o céu antes. O que, de uma forma pérfida, não deixa de ser reconfortante. Não é?

O’Brien, tire-se- lhe o chapéu, deu a Fauvet uma pista para o que se calhar se está a passar. Os fumos são cuspidos de uma chaminé com os tais 62 metros de altura. Com aquele ventinho encanado que vem de Sueste e a seguir as chuvas a captarem aquele lixo tóxico todo, o mais provável é que, para já, toda aquela poluição deve estar a cair no mato a uns quilómetros de distância da Matola. Onde por acaso os senhores da SGS não devem estar, pois devem ter metido os seus aparelhómetros ali à volta da Mozal.

Que assim não acusam nada.

Quanto às emissões de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, uma importante componente dos poluentes, diz a peça, afinal ninguém sabe bem o que aconteceu pois as amostras colhidas foram enviadas para análise por um laboratório na Bélgica e ainda não se sabem os resultados.

Mas não faz mal porque a gente já sabe que está tudo bem.

Como é que diz a música? “tudo bom, tudo bom, tudo bom”.

Aleluia.

18/11/2010

MATOLA SMOKE IN THE PRESS*

Filed under: Imprensa Moçambique, Mozal — ABM @ 3:31 am

por ABM (18 de Novembro de 2010)

Para que conste:

1. Foi antes de ontem, apenas pelas 18 horas, hora em que a maioria dos profissionais da imprensa moçambicanos já estão a caminho de casa para jantar, que a empresa que parece que neste momento apenas distribui a informação pública da Mozal, distribuiu um comunicado de imprensa do processador de alumínio localizado junto da Matola.

2. O referido comunicado, creio que ineditamente, vinha redigido em inglês, sem tradução para português. Donde se conclui que, também para cobrir a própria  realidade moçambicana, agora também se exigem conhecimentos da língua inglesa.

3. Uma busca casual da imprensa na manhã de ontem, indicou que uma parte muito significativa dos órgãos de imprensa em Maputo e noutras localidades, nem sequer noticiou que o processo de envio dos fumos da fábrica em Beluluane  directamente para a atmosfera circundante, sem qualquer filtragem, se iniciava ontem. Provavelmente porque não sabiam de nada.

4. Na imprensa matinal a que tive acesso, apenas a gazeta da agência noticiosa portuguesa Lusa, continha uns breves parágrafos sobre o início da poluição do ar sobre os céus em redor da Mozal.

5. Dos que consultei, apenas dois órgãos de imprensa moçambicanos, continham informação sobre o início do processo de poluição na Mozal nas suas edições de ontem.

6. Esses dois órgãos reproduziram exactamente o texto preparado (este em língua portuguesa) pela agência de informação portuguesa, a Lusa, na gazeta acima mencionada.

7. Significativamente, a gazeta da Agência de Informação de Moçambique divulgada ontem de manhã, não continha rigorosamente qualquer informação sobre o tema.

Perguntas:

1.  Porque é que, dada a importância deste tema, a Mozal escolheu divulgar o início do processo de poluição da atmosfera pela sua fábrica apenas às 18 horas de dia 16, ou seja, na noite imediatamente antes do dia em que iria iniciar o processo?

2. Sendo Moçambique um país onde se fala português e mais umas dúzias de fantásticas línguas nacionais, e tendo a Mozal dinheiro e recursos que bastem para apresentar uma nota de imprensa em língua portuguesa – a habitualmente usada pela imprensa  moçambicana – porque o fez em língua inglesa?

3. Sendo a razão para existir da Agência de Informação de Moçambique, prestar o serviço de obter e distribuir doméstica e internacionalmente as notícias – em particular as notícias sobre o que se passa em território moçambicano, porque é que, ou melhor, como é que foi possível à AIM deixar escapar uma informação desta importância, como foi a do início dum processo que no mínimo tem sido alvo de preocupações e debate por parte de tanta gente em vários sectores da sociedade e governo moçambicanos?

4. Como é possível que, dos órgãos moçambicanos a que tive acesso e em que apenas dois noticiaram o início das descargas poluentes da fábrica da Mozal directamente para a atmosfera, a única fonte que encontraram e que tiveram para recorrer – para uma ocorrência na Matola, reitere-se – foi a agência portuguesa de notícias, a Lusa?

Claramente, este é um assunto para ser reflectido e analisado.

Por quem de direito.

* – “O fumo da Matola na imprensa”. Aqui traduzem-se as coisas. Na hora.

16/11/2010

A MOZAL E OS FUMOS DE BELULUANE

por ABM (16 de Novembro de 2010)

Cerca das 18 horas de Maputo de hoje, recebi a lacónica nota intitulada MOZAL STATEMENT FTC’s NOVEMBER 2010 emanada pela Mozal, escrita em inglês, para variar, confirmando que amanhã, dia 17 de Novembro, a fábrica de alumínio situada a meio caminho entre Maputo e Boane, começaria a emitir os gases poluentes para a região da grande Maputo sem qualquer filtragem, durante quatro a cinco meses.

Sobre este assunto acho que já disse quase tudo o que tinha para dizer. Nomeadamente, que isto é um atentado aos direitos dos moçambicanos, que parece que o governo do dia muito lamentavelmente demitiu-se do seu dever de proteger o seu país contra estes actos de violência perpetrados de fora, e que a empresa BHP Billiton escreveu uma das páginas mais tristes do seu percurso, usando e abusando dos seus poderes para vergonhosamente enfiar o seu lixo pela goela abaixo de um governo dócil e de uma população indefesa.

Eu acredito piamente no capitalismo. Mas isto não é capitalismo. Nos tempos que correm, é lixo empresarial ao mais alto nível.

De particular e lamentável interesse, foi eu ter que ler, por mais que uma vez, as quase lancinantes defesas da indefensável argumentação apresentada pelas instâncias governamentais por nada menos que Paul Fauvet, que, usando e abusando do seu estatuto de prima donna dinosáurica da igualmente dinosáurica, governamental Agência de Informação de Moçambique, embarcou nos ataques mais infecundos a que já tive que assistir em algum tempo, dirigidos aos que legal, moral e legitimamente questionam a autorização inacreditavelmente concedida para este ataque à saúde da população de Maputo, chegando ao despautério de sugerir que os que tomavam tal posição estariam ao serviço de forças ocultas, dirigidas de fora.

Só mesmo faltava esta.

Fauvet, que percebe tanto de FTC’s como eu percebo de reactores nucleares em naves espaciais, até chegou ao ponto de tentar vir para cima de nós dar lições de aritmética fumeira, atestando a factualidade dos míticos, ocultos, mirabulantes estudos feitos a martelo por uns “especialistas” da UEM para fingir que a coisa era feita “cientificamente”. Só que se esqueceu que nem todos de entre os muito poucos que o lêem estes dias compram essa banha da cobra que só pode (só pode) ter sido encomendada.

Até faz impressão ver o Fauvet, que andou de braço no ar nos tempos com o Cardoso a clamar aquela mística “pureza” espartana do marxismo-leninismo samoriano (no fim tão pura como os fumos que a partir de amanhã discretamente passarão a ser inalados pelos inocentes cidadãos de Maputo e Matola), vir agora tentar defender o estritamente indefensável: que a BHP Billiton, o maior conglomerado industrial e químico do mundo, com fundos praticamente ilimitados, com os conhecimentos mais especializados e a obrigação de assumir a responsabilidade total pelos seus processos fabris, de entre os quais aquela fábrica inacreditavelmente situada a 14 quilómetros da baixa de Maputo, a escassos quilómetros do lago artifical a partir do qual toda a gente bebe água na grande Maputo e dentro duma área urbana com pelo menos 2, 3 milhões de pessoas, depois de quase dez anos de operação contínua, não reparou, não previu, “esqueceu-se”, que os filtros daqueles venenos que emite em Beluluane, estavam a ficar podres e precisavam de ser substituídos; que afinal “não tinha” qualquer plano de contingência que minimizasse a pulhice que agora vai fazer; que, estritamente para poupar dinheiro, acha económica e ecologicamente justificado fazer o que nunca se atreveu ou atreveria a fazer em quase qualquer outra parte do mundo, pois certamente levava com dez processos seguidos em tribunais que funcionam mesmo. E perderia. Porque afinal – coitadinhos dos pobres accionistas BHP Billitons – não se pode fechar a fábrica, pois a fornalhazinha tem que ficar acesa e a cuspir lingotes 24 horas por dia.

Não podem desligar a fornalhazinha, lamenta-se o Paul nos seus escritos. Coitadinhos.

Se isto é augúrio do que vai ser a esperada industrialização de Moçambique – conglomerados internacionais a agir desta forma, fábricas a operar desta maneira, construídas no meio de zonas urbanas, com accionistas milionários que acham que podem ganhar mais lucros nas costas duma população indefesa, com ligações intestinais às instâncias mandantes, que até as agências de informação nacionais colocam ao seu serviço – o futuro prevê-se verdadeiramente, incontornavelmente, sinistro.

Há mais que cem anos, o escritor britânico Charles Dickens avisou contra isto mesmo: contra a rapacidade daqueles que, à guisa das liberdades inerentes ao sistema capitalista, não param perante qualquer obstáculo para assegurar o retorno incremental no seu investimento.

Esquecendo-se que, a essas liberdades, correspondem responsabilidades.

E no dia em que os representantes do povo consentem nessa rapacidade, só se pode lamentar esse facto.

A Mozal anda a divertir-nos há anos com os seus comparativamente ridículos exercícios de charme a que chama eufemisticamente de “responsabilidade social”: uma casinha aqui, uma enfermeirazinha ali, um donativozinho acolá. Enquanto isso, vomita o precioso alumínio, carregado diariamente e às toneladas para o porto de Maputo, de onde desaparece, recebendo em troca montanhas de escória de alumínio que nem sequer existem em Moçambique. E isso enquanto usufrui do estatuto fiscal de uma offshore e quase a soberania de um estado dentro de um estado, maximizando os seus lucros.

Pois essa “responsabilidade social” devia incluir pagar os impostos que devia pagar e o respeito pelo país onde se situa e as pessoas que ali vivem. Tentar encantar as pessoas com migalhas e depois agir desta maneira é obviar o que parece ser o seu credo:

Que os fins justificam os meios.

Site no WordPress.com.