THE DELAGOA BAY REVIEW

01/12/2011

O FADO EM MOÇAMBIQUE ATÉ 1973: UM ESBOÇO, POR MARGARET NABARRO

Em Lisboa, a grande Maria João Quadros, do Clã Quadros, continua a promover o fado, com uma pitada de piri-piri moçambicano. Uma bela foto de Chico Aragão, com um retoque meu.

Artigo escrito em inglês por Margaret D. Nunes Nabarro no início de 1973 e revisto em Janeiro de 1976, reproduzido e minimamente editado do sítio O Fado e Portugal, inserção de 19 de Agosto de 2004. Se o exmo. Leitor não sabe ler inglês, aprenda que já é altura ou, alternativamente, use o Gúgele Translate.

Para saber quem é a Dra. Margaret Nabarro, veja no fim do artigo.

O artigo:

Not only was the fado heard in Lisbon, but it was also heard in Moçambique, particularly in Lourenço Marques, […]. In theory, Portugal does note have colonies, but the overseas territories were all considered Provinces of Portugal and each province had representation in the Parliament and the Central Government of Metropolitan Portugal in Lisbon (1). Since 1970 there were changes and some of the Government of Moçambique territory was delegated directly to that province (1). Now Moçambique is independent.

With the basic fact in mind that Lourenço Marques was a city within the organization of Portugal, it can be clearly seen that one of the characteristic arts of Portugal, namely the singing and presentation of fado, formed an active part in the life of its citizens (2).

As in Lisbon, in Lourenço Marques there were meeting places where those who wished could go to hear fados sung. Probably the Adega da Madragoa (2), which was in the basement of the Clube dos Lisboetas in the upper part of the city on the hill approaching the Polana area, was the most typical in its setting. The Adega functioned on Thursdays and Saturdays and sometimes more frequently during peak holiday seasons. There was also another meeting place called the Tertúlia Festa Brava. This was a semi-open-air meeting place in amongst the trees bordering the Esplanade and the Avenida da República. This fado-house functioned now on most days and also on Sundays. In 1972 yet another fado meeting place, O Ribatejano, opened in the Bairro Marcello Caetano in Vila Salazar (Now Matola), just outside Lourenço Marques. This place normally functioned ad the week-ends. There used to be another meeting place, the Restaurante Tipico O Fado, which tended to cater more for the tourist, especially the tourists from neighbouring South Africa. The standard was good but, I felt, not quite so critical and particular as the standard in the Adega da Madragoa. In Restaurante Tipico O Fado, the main artists were António Matos, Maria Vicente, Branco Portugal and José António for the singing of the fado. The guitar player (i. e., Spanish guitar player) was Hermenegildo Lopes and the viola player (i. e., the Portuguese guitar player) was Carlos Lopes. The Restaurante Tipico O Fado has now closed but most of the artists have performed in the Tertúlia Festa Brava.

As in Portugal, the accompaniment to the Fado in Lourenço Marques was provided by the two guitarists, the Portuguese guitar providing the melody and the Spanish guitar providing the harmony, often a ground bass. The Adega da Madragoa, although catering for the tourist trade was samewhat more sophisticated. Many of the students and younger intellectuals of the city were attracted to Adega and met there. Most of the people who performed in the fado meeting places were amateurs, but amateurs of a high standard. However, Maria Vicente and Branca de Portugal who used to sing at the Restaurante Tipico O Fado were professional fado singers. They also sang at the Tertulia, the Rádio Clube de Moçambique or even sometimes in the Adega. Eulália Duarte, who for some time ran the Adega da Madragoa, was also a professional fado singer. She was very conscious of the traditions of fado singing and in the early seventies she made another trip to Metropolitan Portugal to study the trends in both Lisbon and Coimbra. Eulália Duarte as a devotee of the Lisbon fado and she sang the many types of variations of the Fado theme heard there. At the Adega, Eulália was usually assisted by several other performers, notable amongst these were Joel Henriques (who also sang in Beira and Luanda), Joaquim Bica and sometimes Hermenegildo Lopes. Lopes also used to play and sing in the Restaurante Tipico O Fado and he sometimes performed in the Tertúlia.

Joel Henriques was a young man who came from Angola and he studied the art of fado singing in Lisbon. Travelling a good deal in the African Provinces of Portugal, he was often asked to sing in the various cities he had to visit for business reasons. Henriques usually sang the more serious and sentimental type of fado, the typical feeling of saudades emanating from his performances. His voice is that of a strong baritone, produced artistically, and he has the ability to control the volume extremely well. He was also able to express his emotional feeling with the dynamics and enunciation of the words.

Joaquim da Bica was an older man and he has a light baritone voice, he was also an amateur but a competent performer who had specialised in what might be called the group fado. He had a delihgtful sense of humour and he was able to develop a style whereby he could, with great ease, get the audience to join in the chorus of the fado.

Hermenegildo Lopes was, I thought, more suited to the playing and singing of the Coimbra style of fados. His performance was much more reminiscent of the Portuguese Renaissance style of the jongleurs and the troubadours. He had a light baritone voice and he sang and plays in a manner very suitable to the performance of the older type of ballad.

The two guitar players at the Adega were Alves Martins on the Portuguese guitar and António Fonseca on the Spanish guitar. Alves Martins was a very clever improvisor and he as remarkably quick to pick up snatches of melody and accompany any fado singer. António Fonseca was very well versed in the art of ground bass and frequently improvised delightful contrapuntal phrases above his ground to add to the beauty of the melody of the Portuguese guitar. Alves Martins made a special study of the musical form of Air and Variations. He has written many compositions based on the folk music of Metropolitan Portugal. During an evening at the Adega it as usual for the guitarist to play a set of Air and Variations as a solo work.

Although most of the fados performed in Lourenço Marques came from Lisbon, there were examples of locally produced fados. Artur Fonseca, the brother of António Fonseca, the guitar player, studied music in Lisbon and he is a composer of considerable repute. One of his best successes is the fado “Uma Casa Portuguesa”. This fado is internationally known and has been sung and recorded in Lisbon by many famous singers including Amália Rodrigues, who is still regarded by most as the “Queen of fado singers”. The libretto of «Uma Casa Portuguesa» was written as a poem by two young Lourenço Marques poets, Matos Sequeira and Reinaldo Ferreira. The first performance was given in Lourenço Marques in the Spring of 1954 (3) at the Rádio Clube de Moçambique and the singer was Sara Chaves. Fado canção, «Triste Viuvinha» (The sad young widow) is another fado written and composed in Lourenço Marques. The words are by Reinaldo Ferreira and the music by Artur Fonseca. Fonseca did not remember the actual date of composition but it is from the same period as «Uma Casa Portuguesa».

Before meeting places such as the Adega became established, much was done by the Rádio Clube de Moçambique to propagate the love and opportunity of listening to fado for the people of Mozambique. Each week on Monday evenings the Rádio Clube presents a programme of fados at nine o’clock usually before an invited audience because this helped to create a better atmosphere. All the professional and amateur performers of Lourenço Marques perform at these Rádio Clube sessions. When occasion warrants, such as the visit of a famous fado singer from Lisbon, special performances were arranged at the Rádio Clube and in some of the fado houses.

A fado singer of considerable repute who was born in Lourenço Marques is Maria João Quadros. She recorded four fados, «Malmequer Desfolhado», «Sou do Fado», «Rosa da Madrugada» and «Não Troces». This record was generally released in Mozambique and Southern Africa during 1970.

A new fadista (4) was proclaimed in April 1968 at the Adega in Lourenço Marques. Her name is Rosa Feiteira. She had a very humorous portrayal of the fado and she received a great ovation for her interpretation of group fado.

Rosa Feiteira.

Amongst the younger generation of students there were two promising aspirants — Manuela Lobo and Zito Pereira. They both have a good background of fado singing in the classical manner and they sang many times in the Adega. Zito was [an]acclaimed fadista in the Johannesburg Portuguese Club and by invitation he performed fados in the Portuguese National Pavillion at the Rand Easter Show, in Johannesburg (5). He had in 1971 and again in 1972 the main billings as fadista at the Adega in Lourenço Marques.

In Lourenço Marques there was an Association of old students of Coimbra University. Amongst these old students was a lawyer, Dr. Almeida Santos, who, whilst in Coimbra, was regarded as an expert in the art of fado singing. Dr. Santos along with the guitarists, Engineer Roxo Leão, Engineer Caseiro da Rocha and Dr. António Pinho de Brojo formed a group in Lourengo Marques. They made an interesting recording (6) with the help of the Rádio Clube de Moçambique. The inscription on the record says that Dr. Santos and his friends dedicate the recordings to the «Homage of the second Holiday Course of the University of Coimbra». Dr. Santos also claims that these fados represent «the most sublime lesson of Portuguese intellectuality”. He goes on to say «that Coimbra taught us; it is neither life nor time with its vicissitudes and contradictions which will be able destroy the Coimbra spirit, tradition or academic solidarity because it is a live inheritance which connects the present with the past of which Portugal is so proud». Dr. Santos tells us that in the Coimbra fado «rests another link between all the scholars of Coimbra of all generations and of all time».

Namaacha is a small town up in the Lebombo Mountains not far from Lourenço Marques. Being much cooler in the hot summer weather, it was a popular resort of the Lourenzo Marquians. The owner of the bookshop, Livraria Académica, Dr. A. Nunes, used to get together a small group of people who sometimes arranged fado evenings in Namaacha. These evenings tended to follow the Coimbra tradition rather than the Lisbon tradition.

Fado singing was also done in Beira but it was not so well organized as in Lourenço Marques. There is not a special fado house but in the Boite — «Ronda do Fado» at the Hotel Moulin Rouge there were periodically fado evenings. The Ronda do Fado was run by Alfredo Duarte Marceneiro, who is the son of the famous Lisbon fadista, Alfredo Marceneiro. Alfredo Duarte Marceneiro was not very happy in Lisbon so apparently at quite a young age he ran away and eventually settled in Beira after a chequered career as a comedy entertainer. In Beira he conceived the idea of a fado house but eventually resorted to the odd fado evenings instead of the usual cabaret at the Boite. He sang fado himself but tended to be more of a comedian rather than a fadista. When occasion warranted it, Eulália Duarte, Alves Martins, António Fonseca and Zito Pereira flew up to Beira to present Fado in the «Ronda do Fado». There were one or two very amateur groups in Beira who kept the art of fado singing alive at private parties but they were nothing like the standard of the amateurs available in Lourenço Marques.

In Nampula in the north of Mozambique they also tried occasionally to organize fado evenings. Unfortunately there was no resident guitarist so it was usually a visitation the Adega group in Lourenço Marques with a few of the local amateur fadistas joining in. Johannesburg in South Africa, a close neighbour by African standards to Lourenço Marques, supports a large Portuguese community. Largely due to the excellent work of the Social Centres of the Catholic Church at the Cathedral of Christ the King and at St. Patrick’s in La Rochelle, fado evenings are now regularly held in Johannesburg. These evenings started off as purely small local affairs in Cathedral Place and in the Parish Hall in La Rochelle but they have now spread considerably in the City and recently two fado houses, the Chave d’Ouro and the Vasco da Gama have opened in Johannesburg. These two places function basically as Portuguese restaurants but now at the weekends they arrange for the best Portuguese talent available in Johannesburg to perform. For special occasions the group from Adega da Madragoa were invited to Johannesburg. Since the Independence of Moçambique quite a number of fadistas from Lourenço Marques now live in Johannesburg. One of the people who was responsible for the upsurge of interest in fado in Johannesburg was Sr. Rui Forjaz de Brito, formerly Noticias correspondent in Johannesburg. His family are the owners of the fado house in Lisbon by the name of «Timpanas» where they specialise in Modern Fado. Presently fado is enjoying tremendous popularity in Southern Africa, particularly in Johannesburg. It has been very much encouraged formerly in Lourenço Marques and now in Johannesburg as a morale booster.

The war activities sapped a lot of the young man-power for the fighting forces who went up to the North of Moçambique. The singing and performance of fado creates a solidarity amongst all the Portuguese peoples wherever they are in the world.

Notes: (1) This was originally written in 1972-1973. (2) Adega da Madragoa, Clube dos Lisboetas, Avenida de Brito Camacho, 580, Lourenço Marques. (3) The exact date of the first performance does not appear to be recorded but it is thought by Artur Fonseca to have been in September 1954. He composed the work during the winter period (June/July) of that year. It was first recorded by Amalia Rodrigues on a 78 r. p. m. record during the latter part of 1955. (4) Fadista — the name given to a fado singer who has by public acclaim been voted as a worthy, accurate and correct performer of the art of fado singing. (5) This happened in April 1968. He sang as a fully fledged fadista at the Adega da Madragoa, in Lourenço Marques .(July 1972). (6) «Coimbra em Lourenço Marques» — Alvorada AEP 60 544.

Sobre a AutoraMargaret Nabarro studied Geography and Anthropology at the University of London and Musicology, Practical Music and English at the University of Birmingham (England). She holds the Graduate Diploma of the Birmingham School of Music and she has the Diploma in Education of the University of Birmingham. In 1953 she emigrated from England to South Africa when her husband became Professor of Physics in the University of the Witwatersrand, in Johannesburg. She continued her studies in Musicology at the University of the Witwatersrand and later at the University of South Africa, in Pretoria. She obtained the degree of Master of Music for a dissertation on The Structure of Viols and Violins and an Analysis and comparison of some of the music written for these instruments. Margaret Nabarro became a Research Fellow in the Ernest Oppenheimer Institute of Portuguese Studies at the University of the Witwatersrand. In this capacity she began a study of Musicology in Portugal and Moçambique. She has prepared a study on the Structure of the musical instruments of the Chop! tribe in Moçambique. In Lisbon and Coimbra, Margaret Nabarro made an intensive study of the fado. With this background she then studied fado in Lourenço Marques and this work lead to the article presented here. She has also spent some time working at the University of Lourenço Marques. After consultation with the late Professor A. Jorge Dias and his wife, Senhora Margot Bias, about methods to be used, Margaret Nabarro made two extensive study tours in Portugal in the Bragança-Miranda do Douro area and in the region of Castelo de Vide and Marvão. Here she worked amongst the Marranos, discovering much about their customs, cultural background and music. She has flow taken her degree with a D. Musicololy Doctoral thesis in Ethniomusicology titled “The Music and Cultural background of the Western European Sephardi Jews and the Portuguese Marranos: An Ethnomusicological Study” (1975).

E agora silêncio que vai cantar a Maria João Quadros.

O FADO PORTUGUÊS MAIS MOÇAMBICANO

Em baixo, o fado, cantado pela diva.”] Crónica dedicada à Maria João Quadros e ao José Luis Silva.

A propósito de se achar que o fado passou a ser mais hoje que há uma semana.

Hoje em dia é quase politicamente incorrecto alguém debruçar-se sobre o que é e o que era – pelo menos para alguns – ser-se, ou ter-se sido, português em Moçambique. Por todas as razões e mais alguma, a experiência, sustentada nos alicerces de uma imposição colonial, ruiu como um baralho de cartas. Se não necessariamente assim, tinha que ser. A esmagadora maioria dos cerca de (e meros) vinte mil portugueses que por lá andam estes dias nem suspeitam como foi e, às vezes infeliz e caricatamente, focam-se quase unicamente na sua recém-adquirida “moçambicanização”, vestindo toscamente a nova capulana cultural, dizendo “maningue”, deixando aquilo que são metido na gaveta para quando vão de férias à terrinha ver os familiares, os amigos do liceu e fazer umas comprinhas à FNAC no Colombo. Como se enganassem alguém com essa postura, em particular os moçambicanos. Em Portugal, tornam-se estrangeirados – o termo vernacular mais venenoso é “cafrealizados”, estatuto que a RTP Internacional e a internet atenuam de alguma forma. Confrontados por alguns locais com um passado sobre o qual leram nas sebentas, e os que lá estiveram antes, são displicentes e categóricos: esses não eram portugueses como eles. Eram muito piores: eram todos racistas, colonialistas, ressabiados (afinal a despossessão sumária dos seus bens e experiências sem apelo nem agravo será, para estes, justa e merecida) e agora, ainda por cima, saudosistas, termo que de vez em quando estudo com assumido sentido de humor e que, do que assisto, rotula quase tão perfeitamente quem o profere como a quem se dirije.

Tudo isto tão vão como inconsequente, no tempo e numa era de vertiginosa globalização, em que, dentro de vinte anos quase ninguém de entre as partes envolvidas estará vivo para dizer como foi.

Atrás ficarão os mitos, por mais algum tempo.

Depois, tudo será esquecido.

Excepto uns registos resumidos do passado, manietados pelas ideologias prevalecentes, a língua colonial, agora na posse plena das duas populações, e os vultos sorumbáticos das estruturas arquitectuais e demais infra-estrutura, sombras discretas de um passado adivinhado.

Como foi ser-se português, numa estranha diáspora algures no meio da África Oriental Portuguesa, na reluzente Lourenço Marques colonial, nos anos 30, 40, 50 do século XX?

É assunto que daria panos para mangas. No substrato, o enorme confronto entre a pequenez, a tacanhez, a falta de oportunidade e o espartilho social, económico e até moral a que os indígenas portugueses referem em relação à sua terra, e a oportunidade, os “horizontes mais largos” (termo usado por José Maria Tudela numa entrevista ao Correio da Manhã, 23 de Agosto de 2002) e a óbvia descompressão social, moral e material encontrada no caldo colonial urbano moçambicano.

Em que, admita-se, a esmagadora maioria dos moçambicanos negros, excluídos das cidades e da economia, eram pano de fundo. Envolvente, mas pano de fundo mesmo assim.

Apanhado numa geração de transição, eu próprio já só apanhei sombras desses tempos ao mesmo tempo bucólicos e turbulentos, de cujo fim Rui Knoply deu aviso claro num majestoso poema. Felizmente, através de preciosos conhecimentos aqui e ali, vou apanhando histórias, escritos, recolho impressões desse outro mundo e cujo chão me viu nascer.

Assim, aqui assinalo, pela segunda vez neste blogue, e a propósito de o fado (juntamente com a música da mariachi mexicana) ter sido decretado “património imaterial da humanidade, uma pequena mas inesquecível manifestação dessa era.

Este fado – Uma Casa Portuguesa – foi composto pelo Maestro Artur Fonseca, que dirigia a orquestra de salão do Rádio Clube de Moçambique, com letra de Reinaldo Ferreira, poeta e bardo que andou anos por Lourenço Marques, onde morreu e que (ainda) está sepultado no cemitério hoje abandonado do Alto-Maé em Maputo, e Vasco Matos Sequeira, na altura um reconhecido jornalista e poeta, cujo pai, Gustavo, era historiador.

Cantado pela primeira vez pela angolana Sara Chaves no Teatro Manuel Rodrigues em Lourenço Marques numa quase certamente quente noite de uma 4ª feira, 30 de Janeiro de 1952, num sarau em honra de uma delegação do Colégio Militar de Lisboa, que então visitava Moçambique.

Mais tarde memoravelmente interpretado pela diva, Amália Rodrigues.

Este fado é alegre, musicalmente agradável, reprodutor de uma exo-saudade idílica e exageradamente generoso, em parte porque não tropeça nas muitas razões que fizeram com que Portugal, uma miserável pequena ditadura e uma sociedade em quase tudo parada no tempo, fosse um tão apetecível lugar de onde se emigrar. Bom para ser escrito e composto numa mesa do Café Scala em Lourenço Marques, num dia de verão, enquanto se bebia uma Laurentina e mastigava uns tremoços.

Naquela altura, Portugal só era lindo para quem estava em Moçambique porque estava tão longe.

Vindo a sua letra da mão de Reinaldo Ferreira, que supostamente foi comparado apenas com Fernando Pessoa por António José Saraiva e Óscar Lopes e de quem se terá dito ter “o mesmo sentir pensado, a mesma disponibilidade imensamente céptica e fingidora de crenças, recordações ou afetos, o mesmo gosto amargo de assumir todas as formas de negatividade ou avesso lógico”, o poema só pode ser interpretado como um dos mais sublimes exercícios de sarcasmo dos afectos concebidos na língua portuguesa. Talvez aí tenha estado a mão de Vasco Matos Sequeira.

Mas este fado nunca foi visto nem apercebido como tal, em parte por se enquadrar tão precisamente na grelha popularucho-travestipoética prevalecente e imposta nos círculos de então.

Nesse aspecto, para mim, será sempre um fado moçambicano, dos tempos em que alguns ali viviam uma forma muito peculiar de se ser português.

Em que a distância, a saudade e o isolamento se prestavam à alegoria.

P. 1 de 3.

P. 2 de 3.

P. 3 de 3.

25/01/2010

Os 68 Parabéns de Eusébio

por ABM (Cascais, 25 de Janeiro de 2010)

O antigo jogador de futebol Eusébio completa hoje 68 anos de idade.

Aproveito assim para abordar brevemente esta figura do desporto português e moçambicano.

Ao contrário do clã BM, eu nunca liguei quase nada ao futebol, que em Moçambique antes da independência era uma total obsessão para muita gente. Fui a muitos jogos de futebol em Lourenço Marques, mas mais como castigo e para não causar distúrbios em casa aos fins de semana.

Olhando retrospectivamente, o futebol estabelecia uma das diferenças visíveis entre a África portuguesa e as colónias e ex-colónias inglesas, que rodeavam Moçambique, onde os desportos seguiam padrões raciais e culturais muito específicos. Na África do Sul, o futebol era, e ainda é, regra geral, um desporto predominantemente de e para os negros, enquanto que os brancos se cingiam quase exclusivamente ao râguebi e ao cricket e desprezavam o futebol como “desporto de preto”. Presumo que pouca gente então se apercebeu que o piropo também se dirigia aos portugueses, que aos olhos de muitos dos boers e dos sul-africanos brancos, eram uma raça “cafrealizada” – os kaffirs from the sea, como diziam alguns (touché).

Em Moçambique aquilo era mais um pagode, tudo ao molho e fé em Deus. Toda a gente ia e toda a gente vibrava com o futebol, independentemente das questões raciais, económicas e sociais que os analistas de hoje possam congeminar. Aos fins de semana muita gente ia ver o futebol e durante a semana falava-se do que tinha acontecido no fim de semana anterior. Os jogos eram transmitidos pelo rádio clube em simultâneo em português e em ronga. Nesse aspecto, fazia parte do ídílio africano de que falarei mais tarde e que pelos vistos se tornou desporto das classes literadas de hoje desafiar.

Se no esquema geral das coisas essa paixão partilhada entre brancos e negros na África portuguesa valia o que valia, ela existia e pelo menos baralhava um pouco as cartas em termos da dialéctica de então. Os portugueses do regime usavam-na para apontar credenciais não racistas ao mundo, enquanto que os restantes a desvalorizavam, apontando que praticamente não havia quaisquer moçambicanos negros em posições de poder e influência na nomenclatura nacional e colonial.

Mas, só para chatear – excepto no futebol.

Esta realidade foi a meu ver algo injusta em termos de verdadeiros talentos como Eusébio, Coluna e Hilário (por exemplo, mas há mais, como o Vicente, o Shéu, o Matateu, o Matine, o Abel) cujo valor deveria estar acima destas questões mas acabou, durante algum tempo, por ser questionado por temas que nada têm que ver com o facto de que eram atletas de invulgar talento.

As estrelas que Moçambique produziu foram muitas e brilharam. Outro dia ouvi um comentário que achei interessante e parcialmente correcto, não me lembro de quem, mas que dizia que a primeira “verdadeira” selecção de Moçambique foi a que Portugal levou ao Mundial de 1966 em Londres. Sem descurar os restantes jogadores, o talento moçambicano reunido naquela equipa era verdadeiramente excepcional.

E Eusébio, filho de um senhor branco e de uma senhora negra do Xipamanine (pois…) foi a estrela cadente desse conjunto de homens notáveis. Ao ponto de integrar, nas mentes do povão, com a tal de vidente Lúcia e a fadista Amália Rodrigues, uma espécie de santa trilogia do Portugal da segunda metade do salazarismo: Fátima, Fado e Futebol.

Ele era um deus em Moçambique quando eu era pequeno. Um dia, não sei bem por que razão, nos anos 60, ele visitou a casa onde os meus pais viviam na Polana. Não sei como, a palavra passou que ele estava lá, e em cinco minutos a casa estava rodeada de uma multidão a querer vê-lo e a pedir autógrafos. Diligente, eu passei o meu tempo a recolher livrinhos de autógrafos e levá-los ao Eusébio enquanto ele estava calmamente sentado a falar com o pai BM – e ia assinando os livrinhos.

Como um simbolo inescapável de Portugal, difícil foi, e tem sido, a reconciliação com o regime moçambicano, que, antes e depois da independência, nunca o viu como seu, e que nunca aceitou o portuguesismo de Eusébio – apesar de ele ser logicamente também tão moçambicano como qualquer outro, produto genuíno do Xipamanine e da Mafalala dos anos 50 do século passado.

Também não ajudou o facto de que, ao se nacionalizarem os bens imóveis em 1976, incluíram-se os investimentos que quer Coluna quer Eusébio tinham feito na sua terra. Na base da ideologia e de que não podiam abrir excepções, deixaram-nos mais pobres e mais ressabiados. Coluna, que regressou a Moçambique independente e refez lá a sua vida, ficou quase na miséria. Mas isso é história que dava panos para mangas.

Independentemente de todas essas questões, acho que a História já colocou Eusébio no seu lugar devido: o de ter ele sido um dos maiores talentos do futebol que o mundo jamais viu.

Um talento moçambicano.

E, também por isso, lhe dou hoje, e a nós também, os parabéns.

12/10/2009

Amália Rodrigues IV

Filed under: Amália Rodrigues — ABM @ 9:10 pm

png_amalia_rod_51-reduzido

por ABM

Através do amigo do amigo, o Dr. Vasco Galante, Director no actual projecto conjunto do Governo e da Fundação Carr para recuperar o Parque Nacional da Gorongosa, fez o favor de abrilhantar a pequena celebração maschambiana da fadista portuguesa Amália Rodrigues, remetendo esta imagem da sua inscrição no livro de convidados do Parque, feita aquando da sua visita àquele paraíso natural moçambicano no dia 9 de Abril de 1951.

Os exmos. visitantes mais aficionados poderão premir na fotografia para verem a mesma imagem com maior resolução.

07/10/2009

Amália Rodrigues em Moçambique II

Filed under: Amália Rodrigues, Música — ABM @ 1:39 am

(por ABM)

Não querendo tornar este dia num longo registo de Amaliana, pelas razões já explanadas e porque até ontem nem sequer sabia bem que a boa senhora tinha estado em Moçambique, quis a divina providência que esta noite, durante um agradável repasto celebratório num daqueles restaurantes chineses decorados de forma indescritivel numa Cascais chuvosa de outono (boa para apanhar gripe A), abordasse com um amigo o tema en passant, entre um dúbio e oleoso crepe chinês e um magnífico chop-suey de galinha, regados com uma deliciosamente refrigerada Coca Cola Zero.

Aí descobri que em Lourenço Marques, quando os habituais suspeitos colonial-fascisto-racisto-imperialistas não estavam ocupados a oprimir o bom povo nas redondezas, eram uma verdadeira e alegre tertúlia de fadistas e de guitarristas, o que me surpreendeu, pois lá em casa decididamente imperavam o Frank Sinatra, Óscar Peterson, Nat King Cole e o Walter Wanderley, entre outros. Tocava-se uma balada da Hermínia Silva quando o rei fazia anos.

Já no final do jantar, enquanto bebericava a ritual bica com adoçante, tive a surpresa de ouvir do outro lado da mesa qualquer coisa como “mas sabes, eu até acho que tenho qualquer coisa a ver com isso guardado lá em casa”. Desde logo respondi “ai sim? tens email e scanner em casa? então manda lá o scan, please, se faz favor”. Uma hora depois e graças à mais moderna e barata tecnologia, tive a oportunidade de ver, e de agora poder partilhar em primeira mão com os exmos maschambianos, os seguintes mimos, que podem ser analizados em maior detalhe clicando (ou premindo, segundo o novo AO) nas fotos miniatura em baixo:

Vitorino Ribeiro era o guitarrista de que falei antes. Aparentemente fez um pouco mais do que dedilhar a guitarra sózinho, alta noite na Rua da Argélia.

(Thanks George!)

06/10/2009

Amália e Maluda

Filed under: Amália Rodrigues — ABM @ 2:17 am

20090914231541_amalia_rodrigues_maluda_1966_oleo_sobre_tela_94x67_cm
(Amália, por Maluda, 1966)

(por ABM)

No essencial, sou um mau moçambicano, pois lá sou branco filho de colono e saí em 75 para estudar em vez de sustentar o gulag moçambicano. E cá sou um mau português, pois não sou católico, não gosto de futebol e mal tolero o fado (para além duma listinha de coisas que não vem para o caso). Atento, respeito e observo – mas como um outsider.

Bem, de fado abro apenas duas excepções: A Senhora Dona Amália da Piedade Rodrigues e Carlos Paredes. Amália vi uma vez de raspão numa dessas digressões para emigrantes na América do Norte, acompanhada de bacalhau, vinho tinto e saudades, já meio rouca da idade (ah, ainda por cima em vez de vinho prefiro Coca-Cola). Paredes nunca vi, apesar de, com 15 anos a estudar em Coimbra e de estar na fase plena e escapista do Dark Side of The Moon dos Pink Floyd, ter ouvido um dia numa discoteca na baixa da então decrépita cidade académica uma canção sua que me deixou parado.

Como faz hoje dez anos que Amália nos deixou, outro dia apanhei algures o quadro acima, feito pela pintora Maria de Lurdes Ribeiro, a.k.a. Maluda, que achei interessante e dramático. Maluda pintou este quadro de Amália numa suite do Hotel George V em Paris e a sua pintura e o mero facto de se conhecerem tem tudo que ver com Moçambique.

De facto, sempre me tinham dito que Maluda tinha que ver qualquer coisa com Moçambique, mas não conhecia bem qual a ligação. Passar por lá nos tempos das colónias não basta no meu cardápio e de facto o resumo biográfico que me apareceu na minha rasante pesquisa no Gúgele (Google nos termos do novo Acordo Ortográfico) diz numa miseranda linha que viveu na actual Maputo entre 1948 e 1963, ou seja e fazendo as contas, dos 14 aos 29 anos de idade.

Hum. Curta explicação. Andei às voltas e dei com esta magnífica e muitíssimo mais rica e detalhada descrição dos anos de Moçambique da Maluda e do que porventura isso terá significado para ela, pela mão de Maria de Lurdes Simões de Carvalho.

Amália Rodrigues cantou em Maputo em 1951, num recinto improvisado no Grupo Desportivo, na baixa. O João Maria Tudela, cantor de Kanimambo e de  Uma Casa Portuguesa Com Certeza (poemas de Reinaldo Ferreira, música e arranjo de Vasco M Sequeira e Artur Fonseca – ou seja, a gangue do Café Scala estava lá (Tudela ainda está vivo e de saúde em Portugal) bem assim como Vitorino Ribeiro, virtuoso da guitarra de fado e enfermeiro nas horas vagas e que foi meu vizinho durante anos e anos na Rua da Argélia. Ainda me lembro de Vitorino a dedilhar a sua guitarra altas horas da noite.

Para além de um texto absolutamente delicioso de ler, a Maria de Lurdes às tantas escreveu duas frases impagáveis que quase me fizeram rebolar de riso.

A primeira:

“Eça de Queirós criou uma personagem hilariante a quem coube a pasta das colónias e que supunha Moçambique na costa ocidental de África. Quando o corrigiram, proclamou que a situação geográfica da colónia era irrelevante para o bom desempenho do cargo.”

A segunda:

“Sérgio Kamal, colega de Maluda na Guérin, cimentou com ela uma amizade de irmão: depois da independência de Moçambique, tornou-se um homem de negócios, cliente dos grandes hotéis, íntimo dos ministros dos estados africanos francófonos e anglófonos. Em Lisboa, gostava de perguntar, ironicamente, referindo-se a si mesmo: ”Aceitam pretos?” Um dia perguntei-lhe por que razão gostava tanto de Maluda. “Foi a primeira branca que em Lourenço Marques ousou convidar-me para dançar!” respondeu, com uma gargalhada.”

Portanto celebro aqui Amália, a única fadista portuguesa que aprendi a gostar. Com muita Maluda e Moçambique pelo meio.

E uma pitada de Eça e de Sérgio Camal.

Site no WordPress.com.